Home / Physicool Blog / Conheça as diferentes lesões de braço e cotovelo
Conheça as diferentes lesões de braço e cotovelo

Conheça as diferentes lesões de braço e cotovelo

1. Lesão por esforço repetitivo (LER)

O que é lesão por esforço repetitivo?

Lesão por esforço repetitivo (LER) está associada ao uso excessivo de músculos e tendões do corpo, particularmente de mãos, pulsos, braços, ombros, costas e pescoço.

Existem dois tipos de LER:

Tipo 1, a qual é diagnosticada através dos sintomas descritos abaixo

Tipo 2, que não reconhecida pelos sintomas e frequentemente se refere a uma síndrome de dor não específica.

Sintomas da lesão por esforço repetitivo

  • Dor ou fraqueza no músculo ou articulação
  • Rigidez
  • Fraqueza
  • Cãibra

Causas:

Apesar da causa exata ser desconhecida, cogita-se que alguns fatores aumentam o risco de LER, incluindo:

  • Fazer atividades repetitivas, durante longo período e sem descanso
  • Atividades que envolvam força, como levantamento de peso
  • Postura inadequada
  • Trabalhar em posição desajeitada
  • Stress

Solução/Tratamento:

A parte mais importante do tratamento da LER e identificar e suprimir a causa. Os sintomas podem ser aliviados com:

  • Analgésicos/ Anti-inflamatórios
  • Terapia de resfriamento, como Physicool
  • Injeção de esteroides

Lesão por esforço repetitivo – Aplique a bandagem reutilizável Physicool de trinta minutos a uma hora sempre que necessário. A bandagem irá se resfriar através da retirada de calor da área lesionada, tranado a dor e reduzindo o inchaço. Isto irá acelerar seu tempo de recuperação, fazendo você se sentir melhor de forma mais rápida

2. Artrite de cotovelo (Osteoartrite de cotovelo)

O que é artrite de cotovelo?

A osteoartrite de cotovelo normalmente acontece quando a cartilagem do cotovelo é danificada ou desgastada. Pode ser resultado de uma lesão prévia, como deslocamento do cotovelo ou até de uma fratura. Também pode estar relacionada com uma degeneração da cartilagem da articulação relacionada com a idade.  A artite é uma doença autoimune onde o sistema imunológico ataca e degrada o tecido conjuntivo das articulações. O cotovelo pode ser afetado por diferentes tipos de artrite, como qualquer outra articulação. A osteoartrite é o tipo mais comum de artrite e pode acometer o cotovelo assim como várias outras articulações. Não é fácil identificar as causas, mas lesões prévias, como fraturas do cotovelo, o tornam mais susceptível. A artrite reumatoide é uma outra forma do problema que tipicamente afeta o cotovelo.

Sintomas:

Os sintomas mais comuns da artrite de cotovelo são:

  • Dor no cotovelo
  • Diminuição na amplitude do movimento
  • Inchaço
  • Dormência

Tratamento/ Solução:

O tratamento depende do estágio em que o problema se encontra e sua história pregressa.

  • Medicação para alívio da dor
  • Fisioterapia
  • Terapia de frio para aliviar o inchaço
  • Injeções de corticoides
  • Cirurgia /artroscopia

Muitos reumatologistas recomendam o uso de terapia a frio como Physicool para ajudar na redução da inflamação e aliviar a dor e a rigidez.  O uso de Physicool duas vezes ao dia por trinta minutos tem ajudado muito aqueles que sofrem com dor e rigidez pois, devido à compressa fria, há a constrição dos vasos sanguíneos, o que reduz o inchaço enquanto acalma a área.

Physicool é uma bandagem de algodão reutilizável impregnada com um líquido patenteado o qual retira o calor dos tecidos afetados por meio da rápida evaporação. Enquanto os tecidos profundos vão sendo resfriados, simultaneamente ao efeito compressivo, Physicool modifica a resposta inflamatória à lesão do tecido atingido, o que ajuda a promover a cura.

3. Bursite de cotovelo

O que é a bursite de cotovelo?

Bursite de cotovelo é o inchaço das pequenas bolsas de fluido (Bursa) que ajudam as articulações a se moverem de forma fluida através do cotovelo. A bursite de cotovelo afeta a Bursa de olecrano na parte posterior do cotovelo e às vezes é chamado de cotovelo do Popeye. A inflamação causa inchaço e um fluido extra a ser produzido.

Vários fatores podem levar ao desenvolvimento de bursite de cotovelo:

  • Lesão moderada, porém repetitiva é a causa mais comum. Por exemplo, pessoas que frequentemente apoiam seus cotovelos, podem criar fricção e lesões repetitivas (pequenas, mas perigosas)
  • Lesão única, como um golpe na parte posterior do cotovelo, também pode levar ao começo de uma bursite
  • A artrite também pode estimular tal condição, levando a Bursa a ficar inflamada
  • Uma infecção na Bursa pode ocorrer se houver um corte prolongado na pele sobre a Bursa
  • Algumas causas ainda são desconhecidas – em alguns casos, as pessoas desenvolveram a condição sem razão aparente

Sintomas:

  • Dor severa – sentida ao movimentar ou ao aplicar pressão ao cotovelo
  • Inchaço – na forma de um nódulo na parte posterior do cotovelo
  • Vermelhidão, aquecimento local, linfonodos inchados

Tratamento/ Solução:

O tratamento para a bursite de cotovelo pode variar a depender da severidade do caso. Em alguns casos, o problema se resolve sem ser necessário nenhum tratamento. Na maioria dos casos, o tratamento inclui:

  • Aplicação de gelo ou outra terapia a fria (Physicool) para aliviar a dor e inchaço
  • Medicação anti-inflamatória
  • Ultrassom e estimulação elétrica
  • Injeções de esteroides
  • Analgésicos
  • Cirurgia para remoção da Bursa defeituosa

A abordagem PRICE (sigla referente a Protection, Rest, Ice, Compression e Elevation) é recomendada pela NHS Choices:

  • Proteção – proteger a área lesionada de novas lesões – usando uma atadura de apoio se apropriado
  • Descanso – interromper a atividade que causou a lesão e descansar a articulação ou músculo lesionado. Evitar atividades nas primeiras 48 a 72 horas após a lesão.
  • Gelo – Nas primeiras 48 a 72 horas após a lesão, aplicando terapia a frio como Physicool
  • Compressão – atadura ou bandagem na área lesionada para limitar qualquer inchaço ou movimento que possa danificá-lo ainda mais
  • Elevação – mantenha a área lesionada alta e apoiada sobre um travesseiro para ajudar na redução do inchaço

Physicool prove as etapas principais do PRICE em uma única bandagem reutilizável, propiciando proteção, resfriamento e compressão para o cotovelo lesionado, ajudando no processo de cura.

4. Cotovelo de golfista (Epicondilite Medial)

Cotovelo de golfista causa dor e inchaço nos tendões que ligam o antebraço ao cotovelo. A dor neste caso se localiza na ligação da parte interna do seu cotovelo, apesar de poder se espalhar para o antebraço também. Qualquer movimento repetitivo da mão, pulso ou antebraço pode levar ao cotovelo de golfista. Geralmente é causado pelo uso excessivo dos músculos do antebraço que permitem agarrar, rotacionar o braço e flexionar o pulso. Thus, repetitive flexing, gripping and swinging can result in the pulls and tears that bring on golfers elbow. Esportes que envolvem maior risco incluem modalidades com raquete, boliche e críquete.

Sintomas:

O principal sintoma do cotovelo de golfista é uma dor localizada perto do osso na parte interna do cotovelo. Ela pode se espalhar ao longo da parte interna do antebraço também. Em muitos casos, a dor vai se tornando cada vez pior.

  • Dor
  • Inchaço
  • Dificuldade para flexionar o cotovelo

Tratamento/ Solução:

Como em muitas lesões similares, é fundamental iniciar o tratamento para o cotovelo de golfista o quanto antes.

  • Terapia a frio
  • Medicação anti-inflamatória
  • Fisioterapia

Proteção, descanso, gelo, compressão e elevação (PRICE) é uma das abordagens mais recomendadas para lidar com entorses e lesões como o cotovelo de golfista. O objetivo é minimizar o inchaço, inflamação e dor, além de propiciar as melhores condições para que a cura se estabeleça.

A abordagem PRICE (sigla referente a Protection, Rest, Ice, Compression e Elevation) é recomendada pela NHS Choices:

  • Proteção – proteger a área lesionada de novas lesões – usando uma atadura de apoio se apropriado
  • Descanso – interromper a atividade que causou a lesão e descansar a articulação ou músculo lesionado. Evitar atividades nas primeiras 48 a 72 horas após a lesão.
  • Gelo – Nas primeiras 48 a 72 horas após a lesão, aplicando terapia a frio como Physicool
  • Compressão – atadura ou bandagem na área lesionada para limitar qualquer inchaço ou movimento que possa danificá-lo ainda mais
  • Elevação – mantenha a área lesionada alta e apoiada sobre um travesseiro para ajudar na redução do inchaço

Physicool prove as etapas principais do PRICE em uma única bandagem reutilizável, propiciando proteção, resfriamento e compressão para o cotovelo de golfista, ajudando no processo de cura. A bandagem Physicool pod ser plicada no cotovelo e o efeito frio recarregado com a aplicação do spray Physicool Coolant diretamente na bandagem enquanto esta está em sua posição.

5. Cotovelo de tenista

A articulação do cotovelo é cercada por músculos que propiciam a movimentação do cotovelo, pulso e dedos. Os tendões no cotovelo se conectam com ossos e músculos, e operam os músculos do antebraço. O cotovelo de tenista é a expressão usada para definir o uso excessivo da musculatura do braço, antebraço e mão, resultado em dor no cotovelo. Este problema ficou assim conhecido devido à sua prevalência entre jogadores de tênis. Existem muitas formas de prevenir este tipo de lesão, dê uma olhada no nosso guia para adquirir o conhecimento necessário a fim de evitar o desconforto do cotovelo de tenista.

Sintomas do cotovelo de tenista

Os sintomas do cotovelo de tenista usualmente incluem:

  • Dor aumentada em volta da parte externa do cotovelo
  • Dor ao segurar ou apertar objetos
  • Inchaço e inflamação

Causas do cotovelo de tenista

O cotovelo de tenista normalmente é caudado por uso excessivo dos músculos ao seu redor, os quais são usados para apertar o punho. Se os músculos e tendões se torcem ou estiram, pequenas lesões e inflamações podem ocorrer na lateral do epicôndilo, na porção externa do cotovelo. Como explícito no termo, o cotovelo de tenista é consequência frequente de jogar tênis. No entanto, também pode ser causado por outras atividades que envolvam pressões repetitivas na articulação do cotovelo.

Tratamento para cotovelo de tenista

O cotovelo de tenista é um problema autolimitado, o que significa que eventualmente se resolverá sem necessidade de tratamento. Apesar disso, há tratamentos que ajudam no controle dos sintomas, reduzem a dor e aceleram a recuperação. Procure suspender qualquer atividade que possa agrava o quadro e descansar o braço lesionado. Na maioria dos casos, o cotovelo de tenista persiste entre seis meses e dois anos. Noventa por cento dos casos apresentam recuperação total em menos de um ano.

  • Compressas frias, como Physicool, para ajudar na redução do inchaço e da dor
  • Analgésicos e anti-inflamatórios
  • O médico pode indicar fisioterapia, apesar de ser mais comum em casos severos. Massagear a área pode ajudar a diminuir a dor e melhorar a mobilidade do braço
  • Cirurgia – apenas como recurso final a fim de remover o tendão lesionado.
  • A abordagem PRICE (sigla referente a Protection, Rest, Ice, Compression e Elevation) é recomendada pela NHS Choices:
  • Proteção – proteger a área lesionada de novas lesões – usando uma atadura de apoio se apropriado
  • Descanso – interromper a atividade que causou a lesão e descansar a articulação ou músculo lesionado. Evitar atividades nas primeiras 48 a 72 horas após a lesão.
  • Gelo – Nas primeiras 48 a 72 horas após a lesão, aplicando terapia a frio como Physicool
  • Compressão – atadura ou bandagem na área lesionada para limitar qualquer inchaço ou movimento que possa danificá-lo ainda mais
  • Elevação – mantenha a área lesionada alta e apoiada sobre um travesseiro para ajudar na redução do inchaço

Physicool prove as etapas principais do PRICE em uma única bandagem reutilizável, propiciando proteção, resfriamento e compressão para o cotovelo lesionado, ajudando no processo de cura.

Uma bandagem Physicool tamanho A deve ser colocada sobre o cotovelo lesionado afim de aliviar a dor e o calor do local por rápida evaporação. Conforme os tecidos profundos são resfriados, o simultâneo efeito compressivo de Physicool irá modificar a resposta inflamatória do tecido danificado, o que promove a cura.